Músicas

Quanta Confusão

Rafael Figueiredo


Homem, quanta confusão
Troca o pé pela mão
Sem desculpas, só justifica então
Acumula riquezas sem valor
Assim, vai ficando menor
Sem perceber, sem imaginação

Mais ainda há quem brinque na varanda
Quem queira ser criança para poder saber de tudo
Ainda há quem creia no futuro
E escreva suas verdades, entre versos, pelos muros

Do alto da torre ele vê
Tantos homens pequeninos
Sem entender, consome toda ação
Em buscar só por querer, sem querer saber por que
Do vazio, dessa ambição

Mas ainda que esse mundo de consumo, consuma todo o resto
Há de haver um violão
E dedos para dedilhar o aço, fio de nylon
Todo som, feito verdades no ventilador




Cadastre-se para receber dicas, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "373211" no campo.