Músicas

O Equilibrista

Rafael Figueiredo


É preciso equilíbrio para andar, quando o corpo quer cair.
Olha à volta tudo é ar, inspira à prosseguir.
Esse mundo é gigante, é moinho quixote
É bola de gude, vidro pintado
Sal e semente, janela, horizonte
A calma e o canto, trem apressado

Bola de sabão, sonho, nuvem, ser, balão
Tudo quer voar...
Parece que não, mas na verdade somos só
Um sonho a tropeçar...

Abra os braços para equilibrar, e segue por aí.
Um pé depois o outro pronto, então sem medo de cair...
E do ponto de vista do equilibrista
Equilibra a vida na ponta do dedo
Mal sabe o destino, malabarista
Que todo artista nasce sem medo.






Cadastre-se para receber dicas, artigos e informações de concursos

 

 

Comentários:

Envie seu comentário

Nome :
E-mail :
Cidade/UF:
Mensagem:
Verificação:
Repita os caracteres "102709" no campo.